MORINGA – UM MILAGRE DA NATUREZA

A Moringa Oleífera (Moringaceae) ou Acácia-branca é verdadeiramente uma esperança para o combate da fome no mundo. Julga-se que seja nativa dos sopés montanhosos meridionais dos Himalaias, porém, o seu cultivo estende-se hoje um pouco por toda a Ásia, à África, à América Central e do Sul.

Invulgarmente rica em proteínas, vitaminas e sais minerais, ela proporciona os nutrientes básicos essenciais à vida. Contém mais de 92 nutrientes e 46 tipos de antioxidantes, além de 36 substâncias anti-inflamatórias e 18 aminoácidos, inclusive os 9 aminoácidos essenciais que não são fabricados pelo corpo humano. Assim, segundo as investigações mais recentes, as folhas frescas provêm:

 

- 27% de proteínas, o equivalente às da carne de vaca e duas vezes as proteínas que o iogurte contém;

- Sete vezes mais vitamina C do que a laranja, quatro vezes mais vitamina A do que a cenoura, como também vitaminas B (tiamina, riboflavina, niacina), vitamina E e Beta caroteno;

- Mais ferro do que o que se encontra nos espinafres, quatro vezes mais cálcio do que o leite, três vezes mais potássio do que a banana, e ainda cromo, cobre, fósforo, magnésio, manganés, potássio, selénio e zinco.

UTILIZAÇÃO PARA CONSUMO ALIMENTAR

As folhas e flores são comestíveis, para humanos e animais. As vagens novas podem ser cozidas ou estufadas1, à semelhança do feijão-verde, ou comidas cruas em saladas. Das sementes extrai-se um óleo, o óleo de Ben, de qualidade similar à do azeite de oliva.

Os tubérculos da moringa utilizam-se como a batata comum. Para este fim plantam-se em canteiros, como uma hortaliça e, atingindo o pé cerca de 30 centímetros, arranca-se do solo revelando a “batata moringa”. O gosto lembra o do rábano, próximo do rabanete. Podem ser consumidos cozinhados ou em saladas frescas e sucos. Têm um elevado teor vitamínico.

As flores, carnudas, constituem por exemplo o ingrediente principal de um prato timorense e indonésio muito apreciado, de nome “makansufa”, no qual passam por uma fritura em óleo de coco, depois são imersas em leite de coco e servem-se acompanhadas de arroz ou milho. As folhas e flores podem igualmente ser consumidas em sucos juntamente com outros legumes, como a beterraba e a cenoura, ou frutas como a laranja, a maçã, o melão, etc. Estes sucos, por serem ricos em nutrientes, são muito adequados para a redução de peso, facilitando uma reeducação alimentar sem agressão do corpo e do metabolismo. Com eles podem ainda confecionar-se caldos e molhos, preservando-se desta forma natural, as preciosas vitaminas e sais minerais.

As folhas e flores são ainda utilizadas na forma de chá, em uso quotidiano, possuindo virtudes medicinais, nomeadamente as que se descrevem mais à frente neste artigo.

A moringa é a única planta conhecida que floresce todo o ano, sendo por isso uma ótima melífera. Produz abundante néctar e atualmente são já muitos os apicultores que utilizam a sua floração para alimentação de abelhas tipo Europa (Apis) ou as nativas sem ferrão. O mel produzido é considerado medicinal e alcança elevado valor no mercado internacional.

Esta rainha entre as plantas tem ainda um lugar capital como planta forrageira, assegurando uma alimentação de qualidade ímpar para vacas, cabras, carneiros, coelhos, galinhas, etc.

USO MEDICINAL 

Em África, com milhões de pessoas afetadas pela desnutrição e/ou vitimadas pelo vírus HIV, a planta da moringa promete ser uma arma vigorosa no combate à fome e/ou aos efeitos debilitadores daquela doença. Prolifera em solos pobres e áridos, pelo que o seu plantio não oferece problemas em zonas hostis. No cultivo em larga escala, o tronco é submetido a podas regulares, de forma que a sua altura não ultrapasse cerca de um metro e meio, visando facilitar a colheita das folhas. O crescimento é extremamente rápido, atingindo o porte arbóreo já nos primeiros meses após ser semeada. A produção de sementes inicia-se logo no primeiro ano.

 

Como planta terapêutica, revelou resultados assinaláveis, quando não surpreendentes, em patologias tais como: prostatites, tumores, em especial (mas não só) da próstata, reumatismos, artrites, lúpus eritematoso, doenças autoimunes em geral, transtornos metabólicos, diabetes, colesterol, hipertensão arterial, bronquites, distúrbios gastrointestinais, hepatites, vírus Epstein-Barr, epilepsia, glaucoma, debilidade por má nutrição, redução  da obesidade, fadiga crónica, dermatoses, etc.. A planta produz ainda efeito renovador das células epiteliais, dos órgãos sexuais e do cérebro.


OUTRAS UTILIZAÇÕES

* Das folhas, flores e sementes – mas particularmente das sementes, pelas concentração das propriedades adsortivas e coagulantes que revelam –, pode extrair-se um produto destinado à decantação de águas para consumo humano e animal, similar em eficácia aos produtos químicos utilizados pelas companhias oficiais de tratamento de águas, e sem os inconvenientes destes. Estas propriedades têm crescentemente chamado a atenção de múltiplos investigadores que, nos estudos empreendidos, convergem assertivamente sobre o interesse da sua utilização na descontaminação de efluentes, nomeadamente na redução de concentração ou mesmo remoção de metais pesados. Nos meios rurais do Nordeste brasileiro, por exemplo, vem-se implementando o seu emprego artesanal especialmente para este fim.

* Paralelamente, investigações recentes apontam para a possibilidade da extração de biodiesel das flores e sementes, quando produzidas em larga escala.

* A moringa, quando reproduzida através da técnica de estaquilha, produz raízes capazes de conter a erosão dos solos.

* Das suas cascas se faz artesanato, pois as fibras são muito maleáveis e flexíveis, adequando-se na perfeição à moldagem e entrançados de cestaria, tapetes, móveis de verga, etc..

* A madeira da moringa é branda, contudo excelente para produzir celulose destinada à fabricação de papel.

* Ao florescer durante o ano inteiro, é também uma excelente planta ornamental, atrativa nos mercados de floricultura e horticultura, sendo mesmo a única conhecida com aquela virtualidade.

* O óleo extraído das sementes é usado em pintura artística.

A UNICEF tem efetuado campanhas em favor do plantio e utilização desta planta. No Senegal, foram levadas à prática com assinalável sucesso.

 

Isabel Nunes Governo

Vice-Presidente do Centro Lusitano de Unificação Cultural

 

 

 

—————————–

Notas de rodapé:

1 As vagens, cozinhadas, são bastante utilizadas no Haiti.

 

Bibliografia:

Bruno Elias dos Santos Costa e Luciana Melo Coelho, Universidade Federal de Goiás, Brasil – http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/conpeex/pibic/trabalhos/BRUNO_EL.PDF

http://www.granjaparaiso.com.br/index.php?l=Plantas_Supervitaminadas&op=Moringa_Oleifera

Para consulta, poderão igualmente aceder-se aos seguintes links:

http://www.youtube.com/watch?v=2EJb1BHmNbY&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=KqPBmERC7OU&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=Pz2IqYWoaRk&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=E32f3gC9CMg&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=SLjkOV_v1bs&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=DwTvpQivDik&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=r-4PWM0eu5s&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=fFTEvr0U8II&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=4060mN77bfs&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=cWFix-PY_Pg&feature=related

 

 

 

 

License

This work is published under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.5 License.